Obesidade Infantil – Sintomas, Causas e Consequências

A obesidade infantil é um problema crescente e preocupante desde há alguns anos. No entanto, longe de ser resolvido, os pediatras estamos observando como o problema está se tornando maior com o passar do tempo.

Diabetes em crianças obesas

Estamos discutindo os principais aspectos deste quadro, com o fim de aproximar qualquer pai e mãe (ou pessoa interessada neste tema) toda a informação necessária que lhe permita enfrentar e melhor prevenir esta situação.

Neste post tratamos um aspecto tão importante como são os sintomas e as complicações que podem apresentar uma criança com obesidade, a curto e longo prazo.

A finalidade é aumentar a conscientização da importância da repercussão que um excesso de peso pode ter sobre a população infantil, e não apenas a médio e longo prazo, mas também de forma imediata, como veremos após o salto.

O maior problema da obesidade que, por si, não só não parece ser prejudicial, mas que em certos círculos ou pessoas pode ser até bem vista, pois é considerado um sinal de “boa saúde“.

No entanto, isto não só é falso (associar com excesso de peso a boa saúde), mas que alguns efeitos se apresentam desde o primeiro momento, e outros, que se mostram, após anos de evolução, podem ser tão nocivos que podem até mesmo chegar a encurtar a esperança de vida de nossos filhos.

Sintomas da Obesidade Infantil

Os principais sintomas que ocorrem a curto prazo, como consequência da obesidade ou o sobrepeso mantidos, são:

** Maior facilidade para sofrer de dificuldade para controlar a hipertensão arterial e hipercolesterolemia (devem ser controlado sempre em crianças com excesso de peso).

** Baixa adaptação ao exercício.

** Maior facilidade para sofrer episódios de asma.

** Problemas psicológicos como isolamento, depressão e ansiedade decorrentes do isolamento e as provocações de seus colegas, ou a dificuldade para o desempenho em esportes e jogos.

** Problemas para integrar-se socialmente ao sentir-se isolado.

** Dificuldade para dormir, que deriva de ronco e despertares frequentes. Isto, por sua vez, dá lugar à presença de sonolência diurna, o que pode reduzir o desempenho escolar.

** Pode ocorrer uma infiltração de gordura no fígado, que se reflete nas análises de sangue e ultrassonografia hepática.

** Problemas ósseos pela curva das pernas e maior risco de fratura da cabeça do fêmur.

** Quadros a nível neurológico que chegam a simular tumores cerebrais por aumento da pressão intracraniana.

** Síndrome metabólica: ocorre quando existem determinadas alterações analíticas como consequência da obesidade, como alterações das enzimas do fígado, colesterol, íons, ácido úrico, etc.

Consequências da Obesidade Infantil

Consequências da obesidade em crianças pequenas
As principais complicações que ocorrem a médio e longo prazo, como consequência da obesidade ou o excesso de peso são:

** O risco de mortalidade cardiovascular é multiplicado por dois.

** Infiltração de gordura no fígado, que se reflete nas análises de sangue e ultra-sonografia do fígado, que com o tempo pode ser grave, pois pode degenerar em insuficiência hepática, doença muito grave e mortal, a longo prazo.

** Síndrome metabólica, que predispõe a longo prazo, a um elevado risco de morte por problemas cardiovasculares.

** Complicações ósseas (curva das pernas, destruição dos quadris)

** A nível do metabolismo podem produzir quadros que predispõem a sofrer de diabetes tipo 2, anormalidades da regra em adolescentes e até mesmo a sofrer patologia ovariana, como a presença de cistos.

Em resumo, a obesidade não é um quadro banal que se pode resolver “no momento em que a criança se controlar um pouco”, já que as consequências, como se descreve, se sofrem desde o momento em que o excesso de peso faz ato de presença, e podem afetar durante toda a vida da criança.

A importância deste post é que é fundamental conhecer os problemas que podem sofrer de nossas crianças, com o fim de aumentar a conscientização e entender que a obesidade, até agora muito bem tolerada pelas sociedades avançadas, você deve começar a ver-se como um sério problema, e nunca como algo anedótico.